Artigo: O povo do Pacarana esta como os “Hebreus” no deserto, caminham movidos pela fé!

A população tenta juntar os cacos que sobraram e seguir em frente no seu dia a dia.

O Carma enfrentado pelo pequeno distrito de Boa Vista do Pacarana parece não ter mais fim.

A comunidade localizada próximo ao Noroeste do Estado do Mato Grosso e distante 87 Km da sede do município passa por momentos difíceis.

A chamada “Nuvem Negra” chegou ao Pacarana com a morte covarde e brutal do professor Cleriston, uma pessoa muito querida na comunidade. Logo em seguida os envolvidos no crime causaram outra comoção na sociedade local.

No fatídico dia 04 de julho em que se comemora a Independência dos Estados Unidos, o chamado “Independence Day”, um veículo de transporte de combustível que chegava ao distrito para dar logística aos agentes do Ibama foi tomado como refém.

 

 

 

 

 

 

 

Algumas pessoas revoltadas com a situação que acontecia na região devido a fiscalização de agentes do Ibama, tomaram o controle do veículo e o levaram para o local chamado Lixão, onde acabaram por atear fogo no caminhão.

O ato praticado por algumas pessoas acabou repercutindo além-fronteiras, o assunto foi pauta nos principais jornais do pais. Da noite para o dia o pequeno Pacarana entrou no radar das autoridades que visualizaram nesse ato uma afronta ao estado.

Em respostas as autoridades federais desencadearam a maior operação de fiscalização feita pelo Instituto Ambiental. A Operação Honoris (Honra) chegou e rapidamente mudou o cotidiano de milhares de pessoas não só no distrito do Pacarana.

Na noite desta segunda feira 12, mais uma vez o Pacarana é destaque nas páginas policiais. Sandra moradora em uma propriedade próxima retornava para casa com o marido após sua jornada de trabalho quando foram tocaiados.

Elementos esperavam os dois ocupantes da moto junto a porteira da propriedade e desferiram vários tiros contra o condutor da moto, conhecido por “Pintadinho”. Sandra também foi atingida pelos disparos nos membros inferiores.

Socorridos pela ambulância e trazidos para Espigão foram deixados aos cuidados médicos. Muitos no distrito ainda comentavam o ocorrido com Sandra e o marido quando nesta manhã de terça-feira acordaram com um forte aparato policial nas ruas.

Nem bem a terça-feira tinha amanhecida e as ruas do distrito do Pacarana foram acordadas pelo barulho das viaturas de agentes de polícia que chegaram a comunidade para fazerem cumprirem a lei, respaldados por mandatos de prisão contra moradores locais.

Batizada de Operação Hefesto (Deus do Fogo) agentes das Policias Militar e Civil amanheceram no distrito em cumprimento a mandatos de prisão. Alguns conhecidos moradores foram conduzidos pelos agentes em cumprimento aos mandatos.

 

 

 

 

 

 

 

Pessoas nas ruas se perguntavam o que estava acontecendo, qual era o motivo dessa correria no distrito com policiais entrando e saindo em residências, a maioria dos moradores nem se lembrava mais do ocorrido no dia 4 de julho.

O êxodo que acontece desde o início da operação Honoris com centenas de moradores cruzando a divisa do Mato Grosso em direção a Conservam, Colniza, Quatá e outros municípios já começa a impactar a vida no distrito que se transformou em deserto.

A maioria tem consciência de que a situação dificilmente será revertida e que a vida no distrito do Pacarana nunca mais será como antes. “Pacarana já era, agora é buscar novos rumos para poder sobreviver”, afirmou um dos retirantes.

Pela sua situação geográfica e de difícil acesso, muito pouco as autoridades constituídas (vereadores, prefeito, deputados e governador) podem fazer para mudar esse “Estigma” que a décadas assola o bravo povo desse distrito.

A unica coisa que continua movendo essa comunidade para frente é a tenacidade de seus moradores que através da força de trabalho e da produção em suas comunidades adjacentes, mantem o distrito firme apesar de tantos revés.

Autor: Luizinho Carvalho/Cientista Social

Comments

comments