JOVEM DE JI-PARANÁ DEIXA TRABALHO PARA ACAMPAR COM 100 MIL ADVENTISTAS NO PARQUE DO PEÃO DE BARRETOS, SP

Da cidade onde mora até o local do acampamento, o jovem teve que rodar 2.228 quilômetros dentro de um ônibus.


Desde criança, Kelvin Miranda Vieira, de 22 anos, sonhava em participar de um dos maiores acampamentos da Igreja Adventista no mundo, o Campori Sul-Americano de Desbravadores.

O jovem mora na cidade de Ji-Paraná, em Rondônia, e neste ano pode realizar o sonho de infância. Mas conta que enfrentou perrengues para chegar até o Parque do Peão de Barretos (SP), onde o evento é realizado.

“Participo desde criança dos Desbravadores e com 10 anos eu já tinha vontade de conhecer esse acampamento. Não consegui vir antes por questões financeiras, porque Rondônia é muito longe e é difícil de vir. Sempre quis participar, mas nunca foi possível”, diz.

Da cidade onde mora até o local do acampamento, o jovem teve que rodar 2.228 quilômetros dentro de um ônibus. Foram três dias de viagem até Barretos e muito planejamento.

“Não foi uma viagem fácil. Passei todos esses dias no ônibus e comendo na estrada, mas é um sonho que eu sempre quis realizar. Para chegar até aqui, eu dividi a minha viagem em 13 parcelas, ou seja, mais de um ano me organizando. Desde 2017 estou me preparando para estar aqui hoje”, conta o jovem.

Kelvin Miranda Vieira sonhava em participar do Campori Sul-Americano, organizado pela Igreja Adventista, em Barretos (SP). — Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

O que Kelvin não contava é que o frigorifico onde trabalha como balanceiro agendaria as férias dele em outro período, que não coincide com a data do evento. Para tentar contornar a situação, ele pediu ao chefe para ser dispensado do emprego por uns dias.

“Eu pedi para o meu patrão, desde agosto do ano passado, para agendar as minhas férias para esse período, mas não foi possível. Então, eu conversei com ele para que me dispensasse por alguns dias e ele aceitou, mas somente com uma condição: descontando do meu salário os dias que estaria fora”, diz.

O jovem conta que não pensou duas vezes e aceitou a proposta do patrão.

“Passei um pouco de sacrifício, mas optei por vir. Mesmo pagando a minha moto, faculdade e todas as contas do dia a dia, não poderia deixar essa oportunidade passar. Primeiro, porque esse acampamento é o sonho de todo Desbravador e aqui você encontra pessoas de outros países e é muito bom estar em contato com eles, aprender coisas novas, experiências novas”, conta Kelvin.

Esse evento que o jovem afirma ser o sonho de todo Desbravador é o Campori Sul-Americano, organizado pela Igreja Adventista e voltado para crianças e juvenis. Realizado a cada cinco anos, em 2019 chega a quinta edição e que acontece até 20 de janeiro no Parque do Peão de Barretos.

São mais de 100 pessoas de 12 países da América do Sul, América do Norte, Europa e até mesmo da Ásia, reunidas nos campings do parque. Durante os dias de evento, todos precisam se virar. Desde a montagem das barracas, até o preparo dos alimentos, 1.140 equipes se dividem nos trabalhos.

Crianças e jovens de 12 países da América do Sul, América do Norte, Europa e Ásia, se reúnem para o Campori, em Barretos (SP) — Foto: Divulgação/Aason Azevedo

De acordo com o organizador do evento Udolcy Zukowski, o encontro trabalha a união entre as pessoas e noções de cidadania e sustentabilidade.

“Tudo aqui é feito em grupo, inclusive as atividades recreativas. Sempre buscando o bem-estar de todos e valorizando o trabalho em equipe, que é uma das maiores necessidades das empresas atualmente”, conta Udolcy.

Para receber todos os participantes, a organização preparou uma área com mais de 25 mil barracas e 2.500 cozinheiros que preparam cerca de duas mil toneladas de alimentos. No parque foram construídos supermercados, farmácia, hospital 24 horas, livraria, shopping e até museu. Toda essa estrutura conta com o apoio de um grupo de voluntários que presta assistência dia e noite para a garotada.

O organizador explica que toda a estrutura começa a ser pensada um ano antes.

“É uma cidade maior do que muitas cidades do Brasil. Nós temos mais de 5.500 cidades no país e essa é maior do que quase 4.700 delas. Então tudo foi muito planejado. Tanto na parte de alimento, na parte de segurança, de trânsito, saúde, para que os pais possam ficar seguros de deixarem seus filhos aqui”, afirma Udolcy.

Mais de 100 mil pessoas participam do evento no Parque do Peão de Barretos (SP). — Foto: Divulgação/Leonidas Guedes

Atividades

Os participantes do acampamento são divididos em equipes e passam o dia todo em atividades pelo parque, numa espécie de gincana.

Uma dessas atividades preferidas dos Desbravadores é se aventurarem na natureza, onde podem colocar em prática muitas das lições que aprenderam durante o evento, como escalada, provas de nós e amarras.

Além disso, outras atividades recreativas e de conhecimento como corrida de obstáculos, concurso de bandas e fanfarras divertem os participantes e somam pontos para as equipes. A programação também conta com apresentações de palco em todas as manhãs e noites.

Os participantes também saem do parque para visitar as casas dos moradores de Barretos. Nessas visitas, são tratados assuntos como cidadania, saúde, sustentabilidade e união.

“Queremos que eles voltem para casa com uma experiência sólida de natureza, informados e muito mais proativos para a preservação do meio ambiente”, explica Udolcy Zukowski.

O Eudison de Kloss Júnior é um desses amantes da natureza. Com apenas 10 anos, ele vem de Brasil Novo, no Pará, e disse que gosta de cuidar dos animais e ajudar o tio na roça.

“Gosto de participar dessas ações e de ajudar meu tio com o gado e também na roça. Eu nunca tinha participado de um evento como esse. Quero levar tudo o que eu aprender aqui para trabalhar lá na minha cidade, ajudando a minha comunidade”, conta Júnior.

Por G1 Ribeirão Preto e Franca

Fonte: G1

Comments

comments