Anderson do Singeperon solicita modificação na escala dos agentes penitenciários

O deputado Anderson do Singeperon (PV) indicou à Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), a necessidade de retornar a escala de 24 h por 96 h aos servidores plantonistas da pasta. De acordo com o parlamentar, a propositura visa atender à reivindicação dos servidores, por intermédio do Sindicato dos Agentes Penitenciários e Sócios Educadores de Rondônia (Singeperon).

Atualmente os plantonistas possuem uma escala de 12 horas trabalhadas por 24 horas de folga e 12 horas trabalhadas por 72 horas de folga.

“Embora pareça ser benéfica, a escala desmotiva e prejudica o servidor em relação ao trabalho. Sem contar que essa escala é aplicada somente aos agentes penitenciários e sócio educadores, não sendo cumprida por nenhum outro servidor”, ressaltou Anderson.

O deputado destacou, ainda, que ambas as escalas possuem o mesmo número de equipes e plantonistas. “E isso não melhora o quadro de pessoal como a secretaria alega”, frisou o parlamentar.

Dentre as vantagens da escala 24h x 96h, Anderson afirma que há uma maior satisfação do servidor, mais economia decorrente da diminuição de deslocamentos, menor exposição e vulnerabilidade do servidor, maior disponibilidade para o agente se capacitar profissionalmente, entre outras.

“Nosso requerimento, com base nesses argumentos, é possibilitar à sociedade civil, aos usuários do sistema e à administração pública, um serviço com maior produtividade e eficiência”, justificou Anderson.

Guajará-Mirim

O deputado indicou à Sejus, a permanência dos servidores socioeducativos em Guajará-Mirim que, segundo informado ao parlamentar, foram relotados para Porto Velho. “Solicitamos que esses servidores permaneçam lotados naquele município até o final desse ano”, pediu o deputado.

Assentamento Joana D’Arc

A reativação do Posto de Saúde da Linha 11, do Assentamento Joana D’Arc, em Porto Velho foi solicitada pelo deputado Anderson ao Poder Executivo. Segundo o parlamentar, é de suma importância a recuperação do posto para que não seja necessária a locomoção dos moradores do assentamento para outras unidades localizadas a 90 quilômetros de distância.

“A reativação do posto é um direito de todos, garantindo assim, a prevenção de doenças e atendimentos médicos, proporcionando melhor qualidade de vida a toda comunidade”, resumiu o deputado.

Fonte: Assessoria/ALE

Comments

comments